Treinamento de força melhora a capacidade aeróbica muscular e a tolerância à glicose em idosos

DOSE – “Combinar nas Devidas Proporções”.
13/04/2017
Adaptações Fisiológicas
20/04/2017
Exibir tudo

Olá meus amigos e amigas, mais uma semana iniciando e, como de costume, todas as segundas feiras a partir das 15 horas, faço um post apresentando e comentando um artigo científico da área da fisiologia e do treinamento. E, como ontem, domingo dia 16 de abril de 2017 ministrei o curso online “Envelhecimento, Exercício e Saúde” na página do Viajando pela Fisiologia, o artigo de hoje é justamente sobre a importância do treinamento resistido para pessoas idosas, cujo título é: “Treinamento de força melhora a capacidade aeróbica muscular e a tolerância à glicose em idosos”.

O artigo de hoje, foi comentado no curso online que ministrei ontem e está disponível para você acessar quando quiser e assistir na página do Viajando pela Fisiologia no facebook.

Para entender a importância do artigo apresentado hoje e da aplicação de seus resultados, temos que entender alguns conceitos importantes:

1) Fazem parte do grupo de idosos, pessoas com 60 ou mais anos;

2) Porém, quando falamos de ENVELHECIMENTO, esse processo complexo que resulta da diminuição da CAPACIDADE FUNCIONAL e consequentemente da AUTONOMIA FUNIONAL se inicia bem antes dos 60 anos de idade;

3) a redução da AUTONOMIA FUNCIONAL leva a diminuição da capacidade de fazer as atividades da vida diária, como caminhar, limpar a casa, subir e descer escadas, levantar da cadeira, dentre outras;

4) Isso ocorre porque durante o processo de envelhecimento, ocorrem diversas alterações nas variáveis de aptidão física, como por exemplo, aumento da adiposidade corporal, diminuição da massa muscular, diminuição da força muscular, diminuição do equilíbrio, diminuição da estimulação neural no músculo, atrofia mitocondrial, diminuição da capacidade aeróbica, dentre outras;

5) O objetivo máximo de um programa de exercício para pessoas idosas é justamente promover adaptações fisiológicas que resultem em melhora da condição metabólica, neuromuscular e da composição corporal. Assim, a AUTONOMIA FUNCIONAL dos idosos será melhorada promovendo melhor qualidade de vida. E o artigo de hoje demonstra exatamente isso!

Objetivo do Estudo: Avaliar o efeito do treinamento resistido de curto prazo (8 semanas)na quantidade de proteína mitocondrial e a tolerância à glicose em pessoas idosas.

Amostra: Foram selecionados 21 homens e mulheres idosos com idade média de 71, 3 anos com baixo nível de atividade física diária.

Protocolo de Treinamento Resistido: Os idosos foram aleatoriamente divididos em 2 grupos: Grupo Controle (sem o treinamento resistido, apenas mantendo as atividades da vida diária) e Grupo Treinamento Resistido (realizado 3 vezes na semana, entre 10 e 12 repetições, com 75 a 80% de 1RM e 8 exercícios para grandes grupos musculares, durante apenas 8 semanas).

Principais Resultados:

– Após 8 semanas de treinamento resistido foi observado aumento significativo da força muscular (Força de Extensor do Joelho: Força Concêntrica em 11%; Força Excêntrica em 8%; Força Estática em 12%).

– Conteúdo de Proteína Mitocondrial: Após 8 semanas de treinamento resistido foi observado aumento significativo no conteúdo de proteínas relacionadas à sinalização da síntese de proteínas na mitocôndria (Akt-mTOR aumento de 69%).

– Composição das Fibras Musculares: após 8 semanas de treinamento resistido foi observado mudança no perfil das fibras oxidativas para as fibras rápidas do tipo IIa (anaeróbicas), ou seja, aumento na quantidade de fibras rápidas do tipo IIa de 26,9%). Por outro lado, o GRUPO CONTROLE, houve REDUÇÃO significativa na área transversa das fibras rápidas do tipo IIa.

– As proteínas mitocondriais (Complexo OXPHOS II, IV e a enzima Citrato Sintetase) aumentaram significativamente em 30%, 99% e 29%, respectivamente.

– Foi observado redução de 14% na glicemia sanguínea de 2 horas após a ingestão de glicose.

– O grupo de idosos fizeram um trabalho aeróbico em bicicleta ergométrica antes e após 8 semanas e foi observado aumento significativo na capacidade de tolerar o exercício aeróbico com cargas maiores (20 X 120 Watts antes e após 8 semanas, respectivamente). Isso resultou também em diminuição significativa do Quociente Respiratório, indicando maior capacidade de metabolização de gorduras na mitocôndria;

– No Grupo Controle, não houve alterações significativas de melhora, sendo que para algumas variáveis avaliadas foi observado piora.

Conclusão: O treinamento resistido de curto prazo (apenas 8 semanas) em pessoas idosas, não apenas aumentou significativamente a força muscular, mas também resultou em aumentos robustos em vários parâmetros relacionados à capacidade aeróbica o que levou a maior capacidade oxidativa mitocondrial.

Pontos Importantes:

– Vale à pena lembrar que, o programa de treinamento de força aplicado pela equipe de pesquisa, foi o mesmo que é sugerido para idosos pelo Colégio Americano de Medicina do Esporte;

– Como o grupo de idosos era de baixo nível de atividade física, mesmo com um período curto de tempo (8 semanas), os resultados apresentados são de elevada magnitude. Isso se deve as características da amostra estudada. Entretanto, não espere a mesma magnitude nos resultados em populações mais jovens;

– Acredito que esse seja o ponto máximo do artigo discutido hoje, a melhora da sinalização para a síntese proteica da mitocôndria (Akt-mTOR) que, consequentemente aumentou a quantidade de síntese proteica mitocondrial resultando em melhora da condição aeróbica. Então veja, um treino resistido anaeróbico) produzindo adaptações mitocondriais que melhoram a resposta aeróbica de idosos que, somadas as alterações na força muscular, promoveu melhor autonomia funcional aeróbica! Isso explica porque depois de 8 semanas de treinamento resistido, ao fazer uma atividade aeróbica na bicicleta ergométrica continua, os idosos conseguiram sustentar mais carga (120 Watts) quando comparado a mesma atividade aeróbica antes de iniciar o treinamento resistido (20 Watts). Ademais, houve redução significativa no Quociente Respiratório indicando melhora no consumo de gordura durante a atividade aeróbica.

Você tem utilizado o treinamento resistido em seus alunos idosos? Deixe seu comentário contando sua experiência. Deixe um comentário falando das suas dificuldades! Estamos aqui para te ajudar! Tem dificuldades de entender a fisiologia por trás do modelo HIIT? Por favor, me conte como posso te ajudar! Mande uma mensagem, deixe o seu comentário e vamos juntos Viajar pela Fisiologia.

Grande abraço à todos e ótima semana!

 

 

Os comentários estão encerrados.